sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

A CORRUPÇÃO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

Se nenhuma atitude for tomada para combatermos a corrupção, seja ela qual for e aonde estiver aqui no Brasil, em menos de 5 anos o povo brasileiro vai estar entregue às mãos de bandidos em todos os níveis e formas e nada mais poderá ser feito. Que não é e nunca foi qualquer novidade, sabermos que os tais "Juízes" que mamam nas testas deste governo criminoso cerca de 40 mil reais por mês às nossas custas, são pagos para defenderem os verdadeiros bandidos e condenarem os trabalhados deste país, aceitamos. Pois estes ditos cujos são a LEI e o retrato deste LIXO de país chamado Brasil.


Eu pertenço ao povo e tenho vergonha do Tribunal de Justiça do Brasil, principalmente o de São Paulo e fico muito triste por saber que existem "desembargadores" como Maia da Cunha e Enio Zuziani. Isto por que estas pessoas tiveram a coragem de julgas procedente e deferir um Agravo de Instrumento solicitado por uma empresa identificada como BRASOFTWARE INFORMÁTICA LTDA na cidade de Poá em São Paulo. Eles entraram com um pedido de Antecipação de Tutela que notoriamente foi NEGADO pelo tribunal desta comarca, sendo que se quer o CONTRADITÓRIO ou defesa havia sido formado ou apresentado, anexado ao processo.


O problema é como esta tal "empresa" coagiu dentro do próprio processo o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, cobrando favores destes  tais "desembargadores" para que os mesmos deferissem ao seu pedido, mesmo sem formar o contraditório, ou ao menos, permitissem a Ré que se defendesse, e anda estipularam uma multa diária de R$5.000,00 aqui no Brasil. Chega a ser uma verdadeira piada o que está ocorrendo no Judiciário Brasileiro


Observem quando a tal empresa "BRASOFTWARE" cobra os favores do Tribunal de Justiça da Comarca de Poá em São Paulo, quando afirma categoricamente dentro do processo o seguinte: e também (já prestei serviço), a este Tribunal de Justiça no Estado de São Paulo, no qual recentemente implementou a suíte de solução "Sustem Center 2012". É um verdadeiro absurdo saber que existem DESEMBARGADORES no Brasil que se sujeitam a tão pouco. Será que estes desembargadores precisam disto?

Um outro fato que nos deixa surpresos, é saber que esta tal "Empresa" afirma no próprio processo, já ter vendido quinze milhões de licenças de softwares aqui no Brasil. Se cada licença comercializada por esta suposta empresa, custa em média R$900,00 como provado abaixo, vamos fazer uma conta bem simples:


Se multiplicarmos as supostas 15 milhões de licenças comercializadas por esta empresa por R$900,00, teremos a cifra bilionária de 13 bilhões e 500 milhões de reais já faturados por esta suposta empresa em 28 anos. Um faturamento de quase meio bilhão de reais por ano. Resta saber e vamos solicitar estes dados à Receita Federal se esta suposta empresa realmente já emitiu as supostas 15 milhões de notas fiscais, recolhendo com isto  mais de 3 bilhões e 500 milhões de reais em impostos.

O Problema é que sabemos que existem no Brasil atualmente 130 milhões de computadores. Deste montante segundo o IBGE, 30 milhões são Tablets. Isto nos deixa com um montante de 100 milhões de computadores. Sabemos que destes cerca de 32% utilizam os softwares "piratas" podemos assim dizer. Aqueles que a pessoa usa e não compra a sua licença. Prática muito comum aqui no Brasil e que certamente todas as pessoas que utilizam computadores já a fizeram de alguma forma. Segundo o FGV 20% dos computadores em operação no Brasil, utilizam o Linux por ser gratuito. Restam apenas 48 milhões de computadores. Destes, os comercializados nos últimos 4 anos, 35 milhões utilizam os softwares proprietários. Aqueles que já vem com o Windows Original, o Office e Anti-Vírus. O que não justificaria trocar os sistemas que são originais e que nem permitem ser trocados. 

Este fato nos leva então a uma questão bem simples. Restaram apenas 13 milhões de computadores na faixa comercializável de softwares no Brasil. E esta suposta empresa BRASOFTWARES já vendeu 15 milhões de licenças. Isto é no mínimo muito curioso, pois as informações não batem. Ainda mais sabendo desta informação:


Vejam que o nosso site, segundo o NetValuator, um dos mais conceituados avaliadores de domínios do mundo, vale atualmente $2.459,16 e possui cerca de 828 acessos diários. Já o desta suposta empresa BRASOFTWARE vale apenas $720,00 (setecentos e vinte dólares). Como uma empresa que possui menos de 600 acessos diários, poderia conseguir vender 15 milhões de licenças e dominar mais de 100% do Mercado Nacional e ter um faturamento de mais de 3 bilhões de reais. As informações mais uma vez não batem e possivelmente são inverdades e infundadas. 


Minha empresa sim, mantem uma constância de acessos e hoje, de acordo com o Google Analytics, já passou de 1.200 acessos diários devidamente comprovados. Agora nos resta uma pergunta bem simples, como esta suposta empresa BRASOFTWARE pode ser uma empresa bilionária, sendo que nem mesmo o domínio www.brasoftware.com a pertence e está à venda por $700.000,00


Só pode realmente ser uma piada. Uma empresa que nem o domínio internacional a pertence, ser bilionária. Isto não procede e tem muitas falhas que devem ser explicadas publicamente por esta suposta empresa que acha que tendo um registro de marca junto ao INPI é o bastante para até mesmo, coagir o Tribunal de Justiça de São Paulo, prestando serviços para eles. Senhores desembargadores Maia da Cunha e Enio Zuziani, vocês deveriam ter vergonha de serem coniventes com tais atos criminosos e verificarem as fontes antes de deferirem um sentença, irresponsável como esta. Pois certamente isto irá manchar para sempre a reputação dos senhores, podem acreditar. Ainda mais pelo fato que os passou desapercebido, no qual vários documentos anexados aos autos foram adulterados por esta suposta empresa, tais como este:


Vejam que a logomarca ORIGINAL da minha empresa como apresentada abaixo, foi grosseiramente alterada e tanto é verdade, que o "s" está sobreposto a outra imagem, o que é impossível que se aconteça, se uma perícia tivesse sido realizada, no mínimo. Isto pode ser validado por qualquer profissional da área. Veja a diferença entre o site REAL e o apresentado por esta suposta Empresa ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que se refere a um subdomínio utilizado apenas para testes e que só entraria no ar oficialmente em 2016 após a liberação da Operadora para recebimentos por cartões de crédito e débito:


E as adulterações de documentos não param por aí não, em uma das páginas do processo, esta suposta empresa, apresenta uma prova na qual a logomarca de desconto dos 10% foi retirada. Em outra folha apresentada como prova, eles mostram as duas logomarcas impressas na mesma folha, a de cima adulterada e a de baixo em "marca d'água" original e sem adulteração. E é exatamente isto que vem ocorrendo neste LIXO de país. Juízes e Desembargadores corruptos e despreparados que estão sendo chantageados por empresários e atendem a pedidos ridículos como este. Ainda mais, visto o fato priore, que este Tribunal de Justiça mandou retirar nosso site do ar sem ao menos formar o contraditório, atendendo a um pedido absurdo, sendo que nossa marca também é registrada junto ao INPI com vigência até o ano de 2026 como se prova no documento abaixo apresentado.



E por um erro interno do INPI, o processo 906969662 foi dado como inexistente, mesmo após ter sido atendido todas as solicitações do próprio INPI que também, logicamente foi depositada e protocolada, tudo dentro da legislação vigente em nosso país. Além disto, ainda é muito importante destacar que nos autos do processo, esta empresa, identificada como Brasoftware, apresentou provas de subdomínios que nem publicados estavam ainda. E que omitiu a verdade desde o início no qual com uma simples consulta, qualquer magistrado seria plenamente capaz de observar as diferenças, uma vez que este é o site oficial da minha empresa que procura sobre todas as outras coisas, prestar serviços gratuitos ao internauta: