sábado, 4 de junho de 2016

NOOPEPT - O SEGREDO DA MEMÓRIA NA RÚSSIA

Muito tem se falado no Noopept nos últimos dias, ainda mais agora que o tema principal de abertura do Fantástico que irá ao ar, neste domingo, 05 de Junho de 2016 será os famosos "nootrópicos". E desta forma, estou recebendo inúmeros e-mails com questionamentos relativos a este fármaco. O Noopept é, na verdade, o nome comercial do medicamento. O princípio ativo é uma molécula criada em um laboratório russo no início dos anos 90. O nome original da molécula é "éster etílico da N-fenilacetil-L-prolilglicina", não é lá tão amigável nem bonito, mas extremamente funcional. 

Noopept
O nome pode não ser comum por aqui, mas na Rússia, comerciais de TV anunciam que esse medicamento é o "segredo para uma ótima memória" e para uma "mente afiada". Não é seguro dizer que, pela ciência, essas alegações se apliquem a pessoas saudáveis, apesar de muitos relatos verdadeiros de indivíduos sem nenhum problema de memória ou raciocínio que notaram "benefícios cognitivos" com o uso desta substância. De qualquer forma, em pessoas que já possuem algum comprometimento na capacidade cognitiva ou em gravar informações na memória, principalmente a "longa", o Noopept de fato parece ajudar e muito apresentando efeitos cumulativos.  

Este medicamento, identificado como Noopept é uma molécula sintética, portanto, desenvolvida na Rússia com capacidades farmacológicas antioxidantes,  anti-inflamatórias, anti-amnésicas e neuroprotetoras. Os predicados são muitos e, hoje, o Noopept é vendido nas farmácias da Europa Oriental como um medicamento para melhorar a memória e as funções cognitivas em indivíduos comuns e sem problemas cognitivos. 


Em primeiro lugar, preciso citar e registrar um disclaimer: este artigo tem apenas a intenção de informar e de debater - e não de endosso ou incentivo ao uso do Noopept (ou qualquer outro fármaco, tão pouco nootrópico). Irei responder à essa pergunta prezando, principalmente, pelas descobertas dos estudos científicos que analisaram a questão em evidências de fatos relevantes. Quem deve prescrever e orientar o uso é somente um profissional médico e principalmente fora da Internet!. A utilização de qualquer medicamento com ou sem princípio ativo é sempre um risco, que pode melhorar algumas características e prejudicar outras. Isto se aplica também para o NZT100.  Dito isso, vamos à Ciência!